Resenha: Marada. A mulher-lobo

  • Gênero: Fantasia

Procurando por uma história de espada e feitiçaria com uma forte protagonista e uma trama envolvente? De certo, o que você busca pode ser encontrado em “Marada. A mulher-lobo”.

 

“O papel da mulher parecia destinado a continuar sendo o de coadjuvante, mas Claremont, já conhecido por suas personagens femininas bem construídas, estava determinado a mudar isso.” (MARADA. A MULHER-LOBO, 2018, p.9)

 

A graphic novel roteirizada por Chris Claremont com as fantásticas ilustrações de John Bolton é um clássico da fantasia, compilando em um único volume belas histórias protagonizadas pela Filha de Roma, Marada, e Arianrhod — apenas uma criança e aprendiz da magia, que ao longo das histórias vive grandes aventuras ao lado da mulher-lobo; criando um forte vínculo com ela, quase que materno.

Marada é uma guerreira muito habilidosa, com pais que viveram uma história trágica no passado, em Roma. Inicialmente, na história A Espada Estilhaçada encontramos uma Marada submissa e afetada por magias profundas, sem energia ou gosto pelo combate; muito diferente do que outrora fora. Aos poucos, ela esforça-se e vai revelando a guerreira que há si, superando seus traumas  — o que podemos ver ao longo das histórias Caçada Real e A Farsa Do Bruxo.

Marada. A mulher-lobo

Algo que chama atenção é como ela é retratada, sendo uma mulher desejada, com uma beleza exótica e muito sensual. Mas não por isso, menos amável. A personagem também tem seu lado feminino, doce e uma personalidade forte, cheia de determinação; fugindo assim, do clichê da “mulher guerreira simplesmente gostosa”, aquela com os atributos físicos ressaltados nas ilustrações e pouca personalidade. Marada é muito diferente disso e representa a força feminina e as várias mulheres que podemos ser!

A única crítica que faço referente a obra é justamente por ser tão boa e não possuir uma continuação. Isso deixou a desejar. A história dessa guerreira, e da própria Arianrhod, renderia ótimas aventuras. As possibilidades são infinitas e, como escritora, não pude deixar de imaginar as duas personagens enfrentando novos desafios. Quem sabe, um arco onde teríamos uma Arianrhod manipulando a magia tão bem quanto sua avó; ou Marada em uma aventura rumo a Roma, em busca de vingança pelo que fora feito ao seu pai? Desconheço tais histórias, mas adoraria vê-las ganhando páginas e vida através das ilustrações.

Por fim, recomendo. Uma graphic novel perfeita, com artes deslumbrantes e, para quem gosta de observar as ilustrações, muitas cenas de movimento e luta. As cores também são impecáveis e tudo isso valorizou ainda mais essa forte personagem e toda a história, que por si, é épica e encantadora.

 

FICHA TÉCNICA: MARADA. A MULHER-LOBO

Edição de luxo que reúne todas as três histórias de Marada — a mulher-lobo, a espadachim de cabelos prateados, com textos editoriais exclusivos e artes nunca antes publicadas. Repleta de batalhas sanguinolentas, pérfida magia, perdições sobrenaturais, terror e a mais pura maldade, esta é a visão definitiva da fantástica mulher guerreira!

Editora: Pipoca & Nanquim
Formato: 22 x 30 cm
Capa dura com miolo em papel couché brilho 150g/m2
112 páginas coloridas
Acabamento especial com relevo na capa e borda do miolo em dourado
Tradução do inglês por Bernardo Santana

Release. Marada. A mulher-lobo

Release. Marada. A mulher-lobo. Pipoca & Nanquim.

Contos Relacionados