Artigo: O poder da poesia

por: Rosângela Martins

por: Rosângela Martins

Introdução

Cientistas e pesquisadores já descobriram o poder da poesia. Os efeitos revigorantes da poesia trazem benefícios para o cérebro.

Este artigo foi escrito com a intenção de colaborar para a divulgação da importância da poesia na vida dos seres humanos. Assim, abordamos aqui, de forma sintetizada, alguns dos seus benefícios, justificados por estudiosos e pela doutrina espírita.

A poesia toca os corações. Suas rimas, palavras bem escolhidas e sonoridade melodiosa, conquistam ouvintes e leitores. Mas não é apenas esse encanto que ela exerce sobre os indivíduos; poesia é um instrumento poderoso para o cérebro.

Desenvolvimento

Estudos realizados na Universidade de Liverpool em 2013, descobriram que a poesia faz bem ao cérebro. Ela é mais eficaz do que livros de autoajuda. Sem dúvida, esta foi uma importante descoberta, tanto para o mundo literário quanto para o mundo científico.

Especialistas em ciência, psicologia e literatura inglesa da universidade, monitoraram a atividade cerebral de 30 voluntários durante a leitura de poesias. Eles compararam à leitura dos mesmos trechos transformados em linguagem coloquial. Então esses estímulos que o cérebro emite quando o indivíduo recita poemas se mantêm durante um tempo, potencializam a atenção. Também foi descoberto que a poesia afeta de maneira benéfica o lado direito do cérebro. É lá onde estão armazenadas as lembranças autobiográficas.

Para ampliar ainda mais os horizontes desta descoberta, trazemos aqui o posicionamento da psicóloga, palestrante espírita e pesquisadora Anete Guimarães. Ela nos fala do Alzheimer, doença que provoca o esquecimento, a começar pelas memórias recentes. Sendo uma doença neurodegenerativa crônica — perda progressiva das funções mentais —, ela se manifesta de forma lenta e vai se agravando com o decorrer do tempo.

Portanto, o Alzheimer chega a afetar os reflexos naturais que mantêm o funcionamento do corpo e vem aumentando a sua taxa de incidência, atingindo cada vez pessoas mais jovens. Logo, pesquisadores creem que o Alzheimer seja causado por uma combinação de fatores genéticos, de estilo de vida e ambientais que afetam o cérebro ao longo do tempo.

Os neurônios não envelhecem

Anete explica que os neurônios não envelhecem. Não? Não. É assim: com o passar dos anos, as pessoas vão construindo mais conexões neurais e, consequentemente, mais facilidade para aprender qualquer coisa. Podemos imaginar que a mente de uma pessoa de 60 anos é um computador de última geração, enquanto o de um adolescente é uma máquina menos potente. Porém, um computador top, ao abrir uma enorme quantidade de janelas (nossas preocupações) torna-se lento, enquanto o computador (o cérebro) do adolescente só está com uma janela aberta, onde toda a sua atenção está voltada para o aprendizado.

Portanto, atenção e ação geram evolução e aprendizado; e preocupação gera lixo mental que favorece o aparecimento do Alzheimer.

O que isso tem a ver com poesia?

Vamos explicar. Nosso cérebro possui dois hemisférios com funções diferentes: o esquerdo e o direito. O esquerdo manifesta o raciocínio e se expressa através da linguagem oral (fala); e o direito através da emoção e se expressa usando linguagem visual (imagem, desenho), intuições, percepção de músicas e habilidades manuais.

Então, quando recitamos poesia, o hemisfério esquerdo não reconhece como fala/texto e o hemisfério direito não reconhece como música. Isso faz o cérebro criar conexões neurais novas entre os dois lados, mantendo-se ativo e favorecendo a passagem de informações de um hemisfério a outro, o que contribui para o equilíbrio emocional.

Por isso, uma pessoa que fala gaguejando, não demonstra a sua gagueira ao cantar. Portanto, quando lemos poesia em voz alta — e ainda com conteúdo de elevação moral (sendo o caso de poemas espíritas) — escoamos o lixo mental e melhoramos o desempenho neurológico. É como se estivéssemos praticando uma verdadeira terapia. Declamar um poema equivale a uma poderosa medicação.

Ler, escrever e decorar poemas ajudam a prevenir o Alzheimer

Ler poesia só traz benefícios.

Para os espíritas, a poesia ajuda a elevar o padrão mental e afasta e/ou cura os processos obsessivos, além de prevenir o Alzheimer.

O primeiro livro psicografado por Francisco Cândido Xavier foi Parnaso do além-túmulo,  uma coletânea de dezenas de poemas ditados por grandes escritores e poetas já desencarnados. E a maioria das psicografias de Chico Xavier é composta de poemas, assim como boa parte das psicografias de Divaldo Franco também o é. Mas nada disso foi por acaso.

Segundo Anete, os espíritos não enviariam tantas mensagens poéticas se elas não tivessem uma importância significativa para os seres humanos. Daí a relevância em ocupar-se ao invés de preocupar-se; em evitar o acúmulo de pensamentos desnecessários.

E o que caracteriza um poema espírita?

Segundo Dora Incontri, em um artigo publicado em 2015 no Portal Espírita, poemas espíritas não são apenas aqueles psicografados ou intuídos por espíritos elevados. São poemas que, independentemente do autor, conseguem alcançar a alma do receptor com uma mensagem de ideias elevadas (otimismo, confiança serena, segurança existencial, fortaleza, pureza moral) expressadas de forma pessoal.

Por isso, qualquer manifestação artística espírita não pode transmitir desequilíbrio, desespero, insegurança, aclamação da imoralidade. Deve, sim,  abrir a alma para o infinito, passar a visão espírita sobre a dor, a morte, a existência e o universo.

O conteúdo de uma poesia espírita não pode contrariar os princípios fundamentais da doutrina, mas não precisa ser uma doutrinação, um catecismo. Não deve ser uma filosofia rimada. O poeta deve expressar os seus sentimentos, suas ideias e suas emoções, de acordo com a sua vivência e compreensão dos valores espíritas.

O mundo precisa de mais poesia,

Sugere Ana de Souza Soares, no site Brasil Escola. Assim, seria indicado trabalhar a poesia desde os primeiros anos das crianças em sala de aula, a fim de estimular a sua criatividade e despertar desde cedo o interesse pela leitura e pela escrita. A poesia amplia visivelmente as possibilidades de as crianças se comunicarem e se expressarem melhor.

Por isso a poesia é uma importante ferramenta de ensino que proporciona equilíbrio; que dá asas à mente, diante de um aprendizado escolar técnico e científico.

Ganhe saúde com o poder da poesia

Considerando as colocações anteriores bem como os estudos do pesquisador, escritor e professor Winfried Menninghaus(2), a poesia demonstra efeitos benéficos nos seguintes casos:

  • tratamento da depressão;
  • alívio de tendências suicidas;
  • aumento da sensação de bem-estar em doentes graves;
  • estímulo intelectual e criativo;
  • melhoria da memória; e
  • elevação espiritual.

Daí, esses e outros benefícios constatados, fizeram surgir a poesia terapêutica, já adotada em vários hospitais e clínicas pelo mundo. É utilizada como tratamento auxiliar, sendo sistematizada e divulgada pela Associação Nacional de Poesia Terapêutica nos Estados Unidos.

Se você gosta de ler poesia, o Epicentro Literário disponibiliza uma área só de poemas.

(¹)Graduada em Comunicação Social, com especialização em Jornalismo pela FACHA (RJ), pós-graduada em Teologia pela Universidade Cândido Mendes e escritora de contos e poemas, autora do livro “Pedacinhos de Amor”.

(2)Especialista em estética filosófica, empírica (psicológica) e evolucionária, retórica e poética clássicas e literatura e poética.

Referências:

GUIMARÃES, Anete – Palestra: A influência da poesia nas redes neurais e na saúde, 2018,

INCONTRI, Dora – Como se define uma poesia espírita? – 2015,

SILVA, André da – Benefícios de ler poesia: uma arte para “viver melhor”, 2017,

SOARES, Ana de Souza – Os benefícios da poesia em sala de aula – Brasil Escola.

 

Contos Relacionados